«

Lei de Gerson

cigarroO meio-campista Gérson, o ‘Canhotinha de Ouro’, foi campeão do mundo pela célebre seleção de 1970 – a seleção de Ouro (Pelé, Rivelino e Jairzinho…). Danivelloso

Esta credencial mais o fato de ele ser um fumante compulsivo, o levaram a ser protagonista de uma das campanhas publicitárias que mais repercutiu no país em décadas de propaganda.

Você pode – como eu – não ter conhecido o produto, mas o mote da campanha pode crer que lhe será bem familiar.

Jaques Lewkowicz de 1975 a 1976 exerceu o cargo de diretor de arte da McCann Erickson. De 1976 a 1980 foi um dos diretores de criação da Caio Domingues & Associados onde criou com José Monserrat Filho uma cérebre campanha para a empresa J. Reynolds, concorrente da Souza Cruz. O produto? Cigarros Vila Rica.

.

.

Eis que surge a ‘Lei de Gérson’, o lema daquela pessoa que “gosta de levar vantagem em tudo”, no sentido pejorativo mesmo – aquele que se aproveita das situações apenas em benefício próprio as custas da ética e bom senso.

A propaganda dizia que o cigarro Vila Rica além de ser melhor era mais barato que os demais, logo “você também gosta de levar vantagem em tudo, certo?”.  Certo – sem abrir mão da ética, sim.

Com o tempo, foi-se mudando a interpretação.
“O pessoal começou a entender isso como ‘ser malandro’. No segundo anúncio dizíamos: “levar vantagem não é passar ninguém para trás. É chegar na frente”, mas essa frase não ficou. A sabedoria popular usa apenas o que lhe interessa.
O fato é que a campanha, independente das interpretações em torno desse mote vendeu o produto acima das expectativas. Por muitos anos o Vila Rica foi líder de mercado na sua faixa, um calo a incomodar a Souza Cruz, comentou Monserrat nos autos do histórico-biográfico da propaganda no Brasil da Associação Brasileira de Propaganda.

Como o próprio criador comenta acima, essa campanha mesmo sendo uma péssima influência cultural, rendeu rios de dinheiro. Ou seja, o cara meio que retratou a si mesmo – parece o próprio ‘Gerson’ falando.

A ‘lei de Gerson’ ou o ‘jeitinho brasileiro’ tornou-se uma definição declarada de nossa identidade nacional. Infelizmente, um símbolo explícito da falta de ética de uma parcela de brasileiros.

São os que param em vagas de deficientes, que param o carro em fila dupla, que não dão seta enquanto dirigem, os que furam fila, os que sonegam, os que aceleram ao ver um pedestre atravessando as ruas e os que não cedem o lugar no metrô ou ônibus aos mais velhos…

Hoje eles evoluíram, passam sóbrios com o carro por cima de ciclistas, ou bebem e atropelam pedestres na calçada. Vivem seu mundo bolha sem se importar com os outros meros mortais.

Eu tive berço (educação), não tenho nada a ver com esse Gerson personagem – nem fumo.
Odeio esse jargão ‘jeito brasileiro’ que é conhecido internacionalmente inclusive.
Para muitos, levar vantagem sacaneando não te faz um  esperto e sim um idiota egoísta.

‘Por que fazer algo agora, se eu posso pagar alguém ‘pra’ fazer amanhã?’
Essa máxima hipócrita repercute feito mantra.

Nós permitimos que pessoas se vangloriem após enganar – não perdemos tempo com indignação.
Entra governo, sai governo e nada muda. Os parlamentares dizem que farão, mas não fazem e tudo bem, certo?

O Brasil é o maior produtor de minério de ferro do mundo e o maior exportador de carne, frango, suco de laranja, açúcar, café e tabaco. Somos o terceiro maior fabricante de aeronaves atrás da Boing.

Sim somos um país rico – mas vítima da corrupção e descaso. Exemplos?

O Brasil é o 4º maior mercado mundial de automóveis. A indústria automobilística detém 5% de toda a atividade industrial no país – 10% do PIB do Brasileiro.  Leia-se: grana grana grana. Mas mesmo assim 90% das ruas do país não estão pavimentadas.
Imagine, sem considerar a indústria da multa…essa grana vai para onde?

O aumento constante do número de veículos pode provocar o colapso do trânsito da cidade de São Paulo que pode parar literalmente em 2012. E o governo? Acaba de reduzir o IPI  de carros nacionais – é preciso agradar o povo. Logo mais Dilma dirá que em seu governo o pobre teve seu primeiro carro, mas quero ver ele rodar my friend!

Enquanto isso nós paulistanos passamos passivamente 30 dias no trânsito, ou seja; 2hs/dia parados dentro do carro segundo a Pesquisa IBOPE >> 2010 <<.

O governo Lula foi o mais corrupto de nossa história e nós? Eu, não mas a maioria votou na Dilma. A corrupção continua entre seus membros indicados pelo partido ou pela própria presidente, que diz não saber de nada e? Todo mundo acredita, e quem não acredita não dá a mínima também.

A Copa? Lógico que farão em 4 anos o que não fizeram em 500. Mas deixemos para a última hora para superfaturar ainda mais as obras em prol da urgência.

Somos uma nação submissa, vencida e descrente, formada pelo profissional mais capaz do mundo – o mais criativo e adaptável que sabe agir sob pressão direta.

Mas indireta não, essa não incomoda.

Temos o maior coração do mundo e o maior número de pessoas sem coração.
Temos 14% da água potável do mundo mas muitos ainda morrem de sede no Brasil.
Não temos dinheiro para hospitais e casas enquanto os parlamentares ganham fortunas por mês.
Você trabalha uma vida, paga ao governo durante uma vida para receber uma miséria por mês, o mesmo que quem nunca trabalhou receberá.
Metade da nação diz não estar preparada para ver um beijo entre dois homossexuais, mas o linchamento deles rende Ibope em rede nacional…

Como disse Mohandas Karamchand Gandhi “seja a mudança que deseja ver no mundo” pelo amor de Deus!

.